" />

Arquivos do Mês: setembro 2011

Soluções para os Resíduos Sólidos

  • Adotar a reciclagem como prática produtiva. Se o País reciclasse todas as latas de aço que consome, seria possível evitar a retirada de 900 mil toneladas de minério de ferro por ano e economizaria energia equivalente ao consumo de quatro bilhões de lâmpadas de 60 Watts.
  • Reduzir a quantidade de lixo produzido nas casas e nas indústrias.
  • Aproveitar tudo o que puder dos alimentos, economizando também nas quantidades. Por exemplo: talos, cascas e folhas de frutas, verduras e legumes são altamente nutritivos e, com um pouco de criatividade, podem ser transformados em pratos saborosos.
  • Pensar bem antes de jogar fora os restos dos alimentos. Será melhor colocá-los em uma embalagem e dar aos que têm fome do que alimentar os ratos que vivem nos lixões.
  • Reutilizar diversos produtos antes de jogá-los fora, usando-os para a mesma função original ou criando novas formas de utilização.
  • Doar o que ainda serve para outras pessoas e instituições de caridade. Exemplos: roupas a ser reformadas, móveis restaurados, vidros e plásticos transformados em utilidades.
  • Repensar os hábitos de consumo e de desperdício. Consumir o nescessário, mas sem exageros. É importante consumir produtos mais duráveis.
  • Não jogar papéis, latinhas e bitucas de cigarro nas ruas, pois vão direto para os bueiros, causando entupimentos e enchentes. Os únicos responsáveis pela poluição das águas, mares, rios e lagos somos nós, a população.

Pontos Positivos da Reciclagem de Resíduos Sólidos Urbanos

  • Altas taxas de reciclagem para materiais de valor e fáceis de separar
  • Ação de catadores de rua, que em muito contribuem para as taxas de reciclagem
  • Municípios com Coleta Seletiva e com programas sociais para inclusão de catadores
  • Venda de recicláveis é fonte de renda de muitas famílias

Fonte: Ambiente Brasil. Soluções para os Resíduos Sólidos. Disponível em: http://ambientes.ambientebrasil.com.br/residuos/estatisticas_de_reciclagem/solucoes_para_os_residuos_solidos.html. Acessado em 30 set 2011.

Evento de Turismo em Mongaguá terá ação ambiental

Cidade é a segunda a receber projeto ‘Eu Faço a Diferença no Mundo’

A III Ação Municipal para Promoção do Turismo trará novidade ecológica este ano. A exposição e venda de camisetas feitas a partir de garrafas PET do projeto ‘Eu Faço a Diferença no Mundo’ vai mobilizar os participantes.

Durante os dias do evento (28 a 30 de setembro), será possível adquirir uma camiseta com um desconto de R$ 10,00, caso a pessoa apresente duas garrafas PET de 2 litros. Originalmente cada peça custaria R$ 25,00. As garrafas serão doadas para a Cooperativa de Catadores de Materiais Recicláveis de Mongaguá – Coopermar, que na semana passada recebeu um galpão com equipamentos, no Flórida Mirim.

Mongaguá é a segunda cidade a receber o projeto que visa retirar do meio ambiente, no prazo de cinco anos, 10 milhões de garrafas PET. Para isso, a ONG tem como meta praticar a Educação Ambiental em parceria com empresas, terceiro setor, ONGS e qualquer cidadão que queira participar do projeto.

As garrafas pet arrecadadas serão moídas na hora, por causa do volume, e todo o material arrecadado será doado para a cooperativa da cidade. A ONG também estará conscientizando os participantes sobre a importância de se reciclar o lixo, lembrando que a cada camiseta produzida, quatro garrafas são retiradas do meio ambiente.

A III Ação do Turismo acontece de 28 a 30 de setembro, sempre a partir das 19 horas, com entrada franca, no Centro Cultural Raul Cortez (Avenida São Paulo, 3465 – Vera Cruz).

PROGRAMAÇÃO: 28/09/2011 - quarta-feira

CREDENCIAMENTO: 19h

19h20 - “Políticas Públicas e Gestão Sustentável” Palestrante: Mauricio Juvenal Assessor Técnico de Gabinete Secretaria de Estado do Turismo;

20h15 - “Fotografia, Cidades, Meio Ambiente e Sustentabilidade” Palestrante: Marcos Piffer Arquiteto, Urbanista, Fotógrafo e Editor;

21h10 - “Programa Rota do Sol e o Turismo Regional” Palestrante: Rosana Valle Jornalista e Editora Chefe do Programa Rota do Sol da Tv Tribuna;

29/09/2011 - quinta-feira

19h10 - “A Baixada Santista e Copa de 2014” Palestrante: Luiz Dias Guimarães Presidente do Santos e Região Convention & Visitors Bureau;

20h10 - “Turismo Religioso como parte do Desenvolvimento Social” Palestrante: Ronaldo Linares Presidente da Federação Umbandista do Grande ABC;

21h15 - “Turismo: um compromisso com a Sustentabilidade” Palestrante: Luciana Trizzini Refundini

Arquiteta e Urbanista, Turismóloga e Diretora de Cultura e Turismo da Prefeitura da Estância Balneária de Mongaguá;

30/09/2011 - sexta-feira

19h10 - “Petróleo e Gás na Sustentabilidade” Palestrante: Kelly Iesca Empresária - CETI - Treinamento e Serviços Empresariais;

20h10 - “Pegada Ecológica no Turismo” Palestrante: Fabio Nunes Secretário de Meio Ambiente da Prefeitura da Estância Balneária de Santos;

21h10 - “Planejamento Sustentável para o Desenvolvimento do Ecoturismo” Palestrante: Rodrigo Zanella

Turismólogo, Professor do Curso Técnico de Turismo Receptivo - ETEC Adolpho Berezin e Assessor Técnico do Departamento de Cultura da Prefeitura da Estância Balneária de Itanhaém

Centro Cultural Raul Cortez Avenida São Paulo, 3465 – Vera Cruz – Mongaguá

Informações: (13) 3507-5477 / 3448-5832

Entrada Franca

Fonte: http://www.mongagua.sp.gov.br/IMPRENSA/2011/09-SETEMBRO/27092011/27092011-SEMANTUR.html

Recuperação de terras degradadas é viável economicamente

Representantes da comunidade científica brasileira apresentaram, nesta terça (27/9), no Senado, estudos mostrando que a afirmação de setores ruralistas de que o alto custo de recuperação de áreas degradadas inviabiliza a aplicação do Código Florestal é falaciosa. De acordo com o pesquisador Ricardo Ribeiro Rodrigues, da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq-USP), cerca de 90% das áreas de preservação permanente e de reserva legal danificadas pelo agronegócio se recuperariam praticamente de forma espontânea, com a simples interrupção da atividade agrícola.

Para Ricardo Rodrigues, a alegação de que o custo de recuperação atingiria os R$ 14 mil por hectare, divulgada por representantes do agronegócio, não corresponde à realidade. “O Brasil detém a melhor tecnologia de restauração do mundo, em grande parte graças às exigências do Código Florestal de 1965. Agora, outros países que não têm Código Florestal estão desesperados para aprender conosco”, relata o pesquisador, que coordena o Laboratório de Ecologia e Restauração Florestal da Esalq-USP.

O professor, que na audiência representou a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), mencionou diversas iniciativas de sucesso voltadas para a recomposição de áreas degradadas, com participação de organizações ambientalistas, governos e setor produtivo. “Além das vantagens do ponto de vista ambiental, os projetos geram distribuição de renda”, completa. Ela lembra que existe, pela legislação atual, a possibilidade da exploração de sistemas agroflorestais (SAFs) em APPs e RLs, contribuindo para a conservação e para aumentar os ganhos do agricultor.

A SBPC deve apresentar, nesta sexta-feira (30/9), um documento defendendo mudanças ao Projeto de Lei Complementar 30/2011, que propõe mudanças ao Código Florestal. Entre os problemas apontados pelos cientistas no atual texto está a legalização de desmatamentos feitos em APPs até julho de 2008, a desobrigação de recuperar áreas de reserva legal desmatadas em pequenas propriedades e a definição da extensão das áreas de preservação permanente com base no leito regular dos rios. “Este ponto deixaria parte das várzeas e áreas úmidas sem proteção”, avaliou o professor Ricardo Rodrigues.

A audiência desta terça-feira, organizada pelas comissões de Ciência e Tecnologia CCT), Meio Ambiente (CMA) e Agricultura e Reforma Agrária (CRA) do Senado, contou também com a presença do professor Elíbio Rech Filho, da Academia Brasileira de Ciência (ABC), e dos senadores Ana Amélia (PMDB-RS), Rodrigo Rollemberg (PSB-DF), Eduardo Braga (PMDB-AM), Jorge Viana (PT-AC), Blairo Maggi (PR-MT), Waldemir Moka (PMDB-MS), Luiz Henrique (PMDB-SC) e Mozarildo Cavalcanti (PTB-RR).

Os senadores presentes concordaram em relação à importância de se criarem mecanismos financeiros para remunerar o produtor que conserva as áreas de preservação permanente e de reserva legal. Também foi ressaltada a necessidade de incentivos à recuperação de áreas degradadas, com fornecimento de mudas, sementes e assistência técnica ao pequeno agricultor.

De acordo com Carlos Alberto de Mattos Scaramuzza, superintendente de Conservação do WWF-Brasil, o Senado acerta ao convidar representantes da ciência para debater as mudanças no Código Florestal. “Os senadores têm a oportunidade de corrigir distorções contidas no texto aprovado na Câmara, geradas em grande medida pela não-participação da comunidade científica nas discussões”, salienta Scaramuzza. “Precisamos assegurar que as contribuições da SBPC e da ABC, desta vez, sejam levadas em conta pelas comissões que analisam a matéria”, completa.

Eduardo Braga, que preside a Comissão de Ciência e Tecnologia, anunciou que apresentou emendas a Luiz Henrique, relator do texto na CCJ, CCT e CRA. O fechamento do projeto acontecerá na Comissão de Meio Ambiente, com relatoria a cargo de Jorge Viana. Para Blairo Maggi, a votação em Plenário deve ocorrer até o dia 20 de outubro.

Fonte: TAITSON, Bruno. WWF Brasil. Disponível em: http://www.wwf.org.br/informacoes/noticias_meio_ambiente_e_natureza/?29784/Recuperao-de-terras-degradadas--vivel-economicamente. Acessado em: 28 set 2011.

A manifestação fantástica da natureza

Queremos compartilhar com nossos amigos leitores algo que é fantástico.

Sinceramente, a natureza tem uma força que não podemos calcular. Sua grandeza então, nem se fala.

Algo que sempre me intrigou e, ao mesmo tempo que exerce fascínio, me dá medo, são os vulcões. Acho simplesmente incrível, mas não gostaria de estar perto de um, porém insisto em admirá-los.

No link http://www.apolo11.com/vulcameras.php você pode acompanhar, em tempo real, câmeras que monitoram as atividades vulcânicas em várias partes do mundo.

Algumas informações nos dão conta que existem mais de 1.500 vulcões ativos no mundo, 550 em terra e o restante no oceano.

Na matéria publicada na UOL, fala a respeito dos fotógrafos Donna e Steve O'Meara, que se conheceram em 1986 e, no ano seguinte, casaram-se nas proximidades do vulcão Kilauea, no Havaí.

Desde então, os dois se dedicam a fotografar vulcões. Em 1994, eles fundaram uma organização de pesquisa chamada Volcano Watch International, que realiza estudos de vulcões ativos da Terra.

Os dois usam as imagens que fazem de vulcões para educar as pessoas no mundo todo sobre os perigos que os vulcões representam e sobre como as pessoas que vivem nas proximidades de um vulcão ativo podem se salvar em caso de erupção.

Atualmente, o casal também trabalha para a "National Geographic Society" e mora no Kilauea.

Vamos apreciar este mundo supremo!

Fotos: Steve and Donna O'Meara/VolcanoHeaven.tumblr.com

             

 

   

 

 

http://www1.folha.uol.com.br/bbc/981040-fotografos-registram-erupcoes-vulcanicas-pelo-mundo-veja-imagens.shtml

Amor e Amizade acima das diferenças

Aproveitando a inspiração que a primavera nos traz, ontem, mais uma vez, me emocionei ao ver a reportagem no Domingo Espetacular da Rede Record, falando sobre as histórias de amor e amizade no mundo animal.

É simplesmente incrível a forma como a vida se transforma para "tentar" "ensinar" o ser humano a viver. Sim, ainda não sabemos viver. Brigamos e matamos sem precisar. Matamos na forma literal ou emocional. Quantas vezes ferimos e somos feridos "de morte" por alguém que temos em grande estima? Porque não aprendemos simplesmente a respeitar cada um como se é, com suas qualidades e defeitos? Porque não aceitamos as pessoas como elas são e sempre tentamos impor o que queremos que elas sejam?!

Onde está escrito que o mundo tem que ser como nós queremos? Onde está escrito que somos os "donos do mundo"? Somos tão pequenos na imensidão do universo, mas ao mesmo tempo somos tão grandes se deixarmos nossos bons sentimentos fluir...

A natureza tem se transformado de uma maneira fantástica para nos provar que se pode viver em harmonia respeitando as diferenças.

Na reportagem da record, foi narrada a história de uma leoa, solitária e deprimida, que adota, como se fosse filho dela, um bebê antílope, sendo que os antílopes são as presas preferidas dos leões. O caso aconteceu no Quênia. Especialistas da reserva acreditavam que em poucas horas o bebê seria devorado, mas isso não aconteceu. O filhote e a mãe adotiva caminham juntos pela savana africada e não se desgrudam um só momento. A leoa, faminta, não sai para caçar, para não deixar o bebê sozinho. Um animal selvagem, com um senso de responsabilidade que não se vê em muitas mães por ai, que coloca em risco à própria vida, para proteger aquele a quem elegeu seu filho por livre escolha. É uma interrogação como ela adotou a presa como sua cria. Infelizmente o instinto maternal era apenas dela, e um leão do bando, em um momento de descuido da mãe, atacou o filhote. A leoa fica transtornada. Após o ocorrido, ela se recuperou e incrivelmente, adotou mais cinco bebês antílopes.

Os animais podem sentir emoções profundas e muito mais complexas do que podemos imaginar.

O orangotango Surya é amigo inseparável de um cachorro da raça perdigueiro. O cachorro, que apareceu no parque por um acaso, nunca mais foi embora. Os dois dividem as refeições, nadam e brincam juntos.

Um hipopótamo que perdeu a família no tsunami de 2004, encontrou apoio na amizade com uma tartaruga, o morador mais antigo, que tem 130 anos. Os dois se comunicam com delicadeza, chamando um ao outro com mordidinhas como convite a um passeio. A amizade parou até nos livros infantis. Hoje, mesmo com os dois "casados" eles ainda se encontram para um bate-papo entre amigos.

Estes são apenas alguns casos. Indico para vocês assistirem a matéria completa no endereço: http://noticias.r7.com/videos/conheca-as-mais-incriveis-historias-de-amor-e-amizade-no-mundo-animal/idmedia/4e7fe6ad92bb651fc584d955.html

Vamos aprender com a natureza, com estes animais, que colocam o amor e o respeito acima de qualquer diferença, acima até mesmo de sua sobrevivência, como é o caso da leoa.

Estive pensando nos últimos tempos e cheguei a conclusão que amo as pessoas que amo, justamente por seus defeitos! Porque ninguém é perfeito, e se fosse, não teria a mínima graça. A grande lição da vida é respeitar-nos uns aos outros e aceitarmos cada um como se é, sem jamais tentar mudar o outro. Podemos mudar apenas a nós mesmos.

Uma linda semana a todos.

Com muito amor e amizade.

Com respeito acima de tudo!

Abraços

Equipe Camiseta Feita de PET